30 de outubro de 2012

Plebes cito

Imagem: Leonardo da Vinci (claro!). 

De quantos nadas fui feito?
Quantos vazios empilhados para erguer as paredes
De mim?


De quantas inércias viera minh’alma?
E que brisa suave de tornado veio me encher a vida
De um nulo pensar?

De que frutos pecos vieram as minhas vitaminas?
De que odores surgiram a minha respiração?
De que mundo veio meu mundo?
De que pedra esculpiu-se
O meu coração?

Fernando Lago – Outubro de 2012 

Um comentário:

  1. O tudo de que somos feitos é o nada que sempre fomos.

    Adorei o blog. =)

    ResponderExcluir

Não alimente o Fantasma do Silêncio. Expresse-se.